terça-feira, 4 de agosto de 2009

Esboço de personagem (Escritor alérgico a pontos finais)

Houve um dia em que o sol não nasceu e em que a manhã não apareceu... as pessoas não acordaram para cumprir as suas rotinas diárias, os que não se deitaram ficaram imobilizados num sono profundo, petrificados nos passeios das ruas, os pássaros não cantaram, os jornais ficaram retidos nas gráficas, com os operários colados às máquinas, presos no tempo que deixou de o ser.... o lixo não apodreceu e os cadáveres já não se decompunham...o vento não soprou e a terra, essa, não girou... permaneceu imutável como se todo o Universo tivesse sido congelado... o curso dos rios parou, as ondas deixaram de embater na areia das praias e nas rochas das falésias... tudo deixou de ser tudo e passou a ser outra coisa qualquer que ninguém poderia saber o que era.... as nuvens ficaram fixas no céu, estáticas como se tivessem sido pregadas num papel de cenário sem princípio nem fim... os corações cessaram os seus batimentos e os cérebros não emanaram mais infinitos impulsos magnéticos (ou serão eléctricos?)

«Ó Zé, sinceramente, achas que isto tem alguma coisa por onde se lhe pegue? Sabes muito bem que estas tretas existencialistas não vendem. Eu quero ajudar-te Zé, a sério que quero, mas já te tinha dito que agora o que está na moda são aquelas tretas dos livros de auto-ajuda ou então romances históricos tipo policiais, sempre com uns misteriozitos pelo meio e, de preferência, que meta aqueles gajos, aqueles monges da Idade Média... Ai, como é que se chamavam?...»

«Templários...»

«Isso, isso... agora estas tretas que escreves não servem para nada... quem é que tem pachorra para ler isso? Ninguém... As pessoas precisam é de livros par ler no metro ou quando se deitam ou até quando estão na casa de banho a cagar, percebes? Ou então de livros que as levem a pensar que estão a descobrir uma coisa nova e subversiva que mais ninguém sabe. Eu quero ajudar-te, mas tens de me dar uma coisa que venda e que as pessoas queiram ler, estás a ver?».

«Estou... mas eu preciso mesmo de dinheiro... não me podes emprestar algum, que eu vou ver se escrevo assim um romance histórico ou coisa parecida?»

«Ouve lá, mas eu tenho cara de Santa Casa da Misericórdia ou quê?»

Ponto final na conversa, que por acaso na frase anterior até acabou com um ponto de interrogação... Mas porque é que existem pontos finais, se as certezas que se podem ter são nenhumas? Eu, como escritor, amante da língua, da reflexão e do pensamento, insurjo-me contra a utilização dos pontos finais, porque certezas não há nenhumas (provavelmente se tivesse escrito esta frase num computador com corrector ortográfico, seria assinalado um erro de concordância, o que até prova que a certeza mais científica de todas pode estar errada, mas será a frase agramatical?)! Todas as frases deviam acabar com um qualquer sinal de pontuação que não o ponto final, porque não existem pontos finais na vida, até a morte é um grande ponto de interrogação ou de exclamação! E pior que o ponto final é o ponto final parágrafo, como se um assunto pudesse morrer e ser chutado para canto, quando todas as questões estão em aberto e tudo é recursivo, mesmo a linguagem... será assim?

Até os dois pontos têm mais ética e são menos cobardes que o ponto final porque: permitem dizer mais qualquer coisa a seguir (é sempre bom ter qualquer coisa mais a dizer) e, deixa ver, hum, não me lembro de mais nada, mas é para isso mesmo que servem as reticências, para deixar a outros a continuidade de uma ideia ou raciocínio, como faziam os artistas na Idade Média...

3 comentários:

Henrik disse...

mas...(angústia kierkegardiana) lá por nao haver certezas no mundo segue-se que nao há certezas em mais nenhum lado? eu cá acho que na prosa há certezas. ora desmente-me lá agora que eu afirmei e mais utilizei um ponto final? na prosa, aliás na literatura em geral, a mentira funda-se como verdade. dizia o outro, que agora nao me recordo o nome, que um escritor é um mentiroso crónico, por isso o que ele escreve se chama de ficçao. nem mais. mas uma mentira que se assume como tal, é uma verdade. é um clássico exemplo de paradoxo. e posso assim fabricar uma analogia: se um escritor se revestir de contador de "história factual, verdadeira" corrompe imediatamente a essencia da literatura: que é a mentira. assim sendo, o romance histórico é praticamente a manifestaçao de que a falta de imaginaçao vende mais porque nos desobriga de imaginar o irreal. sim! sim! porque o real, o histórico, meus caros! é como um orgasmo de punheta, sabe bem mas só de vez em quando; bom, bom é a irrealidade de dois corpos que se penetram e nao se matam - ou matam em frances, pequena morte.

legivel disse...

... pois a mim o que mais me dana são pontos finais & parágrafos. Decididamente não posso (e passo sem) com eles...

Por outro lado,o cenário deste texto deu-me uma ideia: quando estiver cansado do "papel de fantasia" passo para o "papel de... cenário.

Trufas disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.